trupeolhodarua@gmail.com

29 de março de 2009



ARRUMADINHO – Trupe Olho da Rua

Por Jussara Trindade e Licko Turle
(apresentação no 50º FESTA em setembro de 2008)

Seis atores vestidos de mendigos andam a esmo pela praça. Em dado momento aproximam-se do público (já acomodado em banquinhos oferecidos pela produção do evento) e despem os andrajos, aparecendo agora como homens e mulheres “de negócios”, vestidos com ternos e tyllers. Assim é dado início a Arrumadinho, espetáculo que, segundo a Trupe Olho da Rua, pretende provocar uma reflexão sobre o homem moderno e seu patético sonho de prosperidade no mundo globalizado. A apresentação segue a tradição do teatro de revista, por quadros que iniciam com uma canção. O tema da exploração do homem, abordado cenicamente a partir do solo de cada artista, adquire um tom saborosamente popular ao incorporar, além do épico, elementos do circo, farsa e musical. Embora a ludicidade decorrente desta mixagem esteja presente todo o tempo, o grupo revela a preocupação de fazer um teatro de rua acessível não apenas ao público infantil, mas a todos os cidadãos. A capacidade de interação com o público, e a presença inesperada de um artista de rua – um “Carlitos” - passando delicadamente pelo espaço cênico, mostraram que a Trupe está sendo bem sucedida em seu propósito de levar o processo de criação para a rua, substituindo a noção de “espetáculo” pelo de “experimento”. Nessa mesma direção, cada ator traz a sua proposta singular de cena, estratégia que dá frescor à dramaturgia e imprime ao espetáculo características de obra “aberta”. O aproveitamento das habilidades técnicas de cada integrante não se dá apenas quanto à atuação propriamente dita, mas está presente também no trabalho musical que permeia todo o espetáculo. Logo na primeira cena, os atores assumem instrumentos musicais (alfaia, guitarra elétrica, flautas, caixa-de-guerra), utilizando como cenário-cidade as escadarias do histórico edifício atrás para entoar um hino. Nessa cena aparentemente simples, cada ator demonstra um empenho musical cuja importância não costuma ser enfatizada no teatro convencional e que, entretanto, parece ser imprescindível aos grupos cujas propostas estéticas – como é o caso da Trupe - enfatizam o caráter artesanal do teatro de rua. Ainda que o grupo lance mão de recursos tecnológicos, como a transmissão em vídeo e a amplificação sonora, é evidente que os mesmos têm uma função acessória em Arrumadinho; são úteis enquanto ferramentas - capazes de ampliar a presença cênica dos atores e instaurar ali a metáfora da industrialização - mas não sobrepujam nem substituem, em nenhum momento, o trabalho carnal do ator no seu fazer teatral. Desse modo, a Trupe consegue fazer a crítica da sociedade de consumo sem cair na armadilha de, ela mesma, submeter-se aos caprichos de uma excessiva e inútil “modernidade”. Ao contrário, utiliza instrumentos musicais e o canto a partir das possibilidades técnicas de cada integrante, (apenas um ator do grupo possui formação musical específica) mostrando que, apenas com alguns instrumentos acústicos, equipamento eletrônico simples e atores dispostos a investir na própria musicalidade é possível realizar uma “intervenção cênico-musical” de grande valor artístico - e sem perder a dimensão ética de sua proposta!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos o interesse por nosso trabalho, acompanhe a programação!
trupeolhodarua@gmail.com

Abraços

Trupe Olho da Rua